Background: Tilapia lake virus (TiLV) é um novo vírus de RNA, semelhante aos Ortomixovírus que causam hepatite sincicial de tilápia (SHT) em Israel, Equador, Colômbia e Egipto (Ferguson et ai , 2014; Eyngor. Et ai , 2014; Bacharach. Et al , 2016;. Del-Pozo et al ., 2017, Fathi et ai , 2017. em Dong et al., 2017).

TiLV é considerado uma potencial ameaça para a aquacultura global de tilápia (Dong et al., 2017), uma vez que provocou uma mortalidade de 90% em explorações desta (Eyngor et al . 2014 em Dong et al., 2017).

É crucial prestar importância a tais doenças de pescado em aquacultura para evitar que se espalhem no mercado. O seguinte artigo é proveniente da Global Aquaculture Allience, escrito por Lauren Kramer e publicado em 17 de Julho de 2017:

Avaliando TiLV e seu potencial impacto sobre a produção de tilápia

PESQUISADORES ISRAELITAS ACREDITAM QUE O TILAPIA LAKE VÍRUS PODE SE ESPALHAR POR TODO O MUNDO E ESTÃO A TRABALHAR NUMA VACINA

TiLV causou mortalidade dos peixes em massa em explorações de aquacultura em Bet-shean Vallet, Israel. Foto cedida por Avi Eldar, um veterinário do Instituto Veterinário Kimron em Bet Dagan, Israel.

“18 cientistas de cinco instituições em quatro países estão a trabalhar arduamente para encontrar uma solução para o Tilapia Lake Virus (TiLV), um vírus que está a causar altas taxas de mortalidade em stocks de tilápia, tanto selvagem, como de aquacultura em Israel, Colômbia, Equador, Egito e Tailândia.

Apesar de a Tilápia ser produzida em aquacultura por 80 países, os principais produtores desta fonte de proteína são a China, a Indonésia e o Egito.

Não houveram relatos de um surto de TiLV na China até à data, mas Han Han, diretora-executiva do Instituto de Sustentabilidade Azul da China, disse que o governo chinês está a ser pressionado para começar investigações de campo.

“Neste momento, estamos a passar por uma temporada de altas temperaturas, durante as quais a Tilápia tem tendência a ficar doente mais facilmente”, observou ela. “A maioria dos sintomas relatados, provenientes de empresas de aquacultura, são relativos a problemas regulares e não de algum vírus novo ou estranho. Nunca ouvi-mos falar de nenhum medo particular ou preocupação sobre TiLV entre nossos parceiros até hoje.”

Avi Eldar, um veterinário que, conjuntamente com o Instituto Veterinário Kimron em Bet Dagan (Israel) foi um dos primeiros a associar as mortalidades de Tilápia com o TiLV, por volta de 2010. “Naquele tempo, verificamos uma diminuição nas capturas de Tilápia do Mar da Galileia e suspeitamos que era um vírus “, disse ele. “Enviamos amostras para laboratórios de referência e para colegas de todo o mundo, mas ninguém poderia apontar para um agente patogénico conhecido.”

Eldar juntou-se a Eran Bacharach, um colega e virologista molecular da Universidade de Tel Aviv e, juntos, começaram a examinar os efeitos citopáticos de TiLV.

“Nas nossas experiências iniciais, induzimos a doença em células e descobrimos que uma pequena porção da população de tilápia sobreviveram à infecção”, disse Bacharach. “Os peixes sobreviventes eram imunes a novas exposições do vírus, o que nos indicou, em princípio, que a imunização poderá ser alcançada. Então, começamos a pensar em formas para vacinar o peixe.”

“Com tais altas taxas de mortalidade, TiLV tem um potencial real para ser devastador para a indústria.”

Como Bacharach disse, essa vacina está a anos e não semanas de ser alcançada.

“Temos algumas abordagens para induzir imunidade a este agente patogénico em populações de Tilápia. Uma é manter uma cepa atenuada do vírus vivo com a capacidade de se replicar, mas com ausência da sua virulência “, acrescentou Bacharach. “Outra é gerar um vírus inativos, ou seja, incapazes de se replicar e expor o peixe a esse vírus. Uma terceira abordagem, chamada Subunit Vaccine, envolve a exposição do peixe à expressão de um conjunto limitado de proteínas derivadas de TiLV.”

Tilápias mortas ao longo da costa de um lago de peixes em Bet-Shean Valley, em Israel. Foto cedida por Avi Eldar.

Os pesquisadores também estão a tentar identificar as linhagens de Tilápia ou espécies que são menos suscetíveis ao TiLV. “Nesta estratégia, tentamos cruzar os peixes menos suscetíveis com peixes cultivados comercialmente”, disse Eldar.

Os dois pesquisadores estão a colaborar com outros cientistas da Universidade de Columbia (Nova York), Universidade de Edimburgo (Escócia) e da Universidade de St. George em Grenada (West Indies). O financiamento tem sido fornecido por um Fundo de U.S. – Pesquisa Agrícula Binacional de Israel & Desenvolvimento Fundo de Pesquisa e Desenvolvimento e pelo Programa de Centro Manna em Segurança Alimentar na Universidade de Tel Aviv. “No entanto, mais financiamento é necessário”, Eldar disse, antecipando o desafio no futuro. “Esta é uma doença que afeta os países em desenvolvimento de África e Ásia, não uma doença encontrada na Europa ou na América do Norte”, explicou. “Tilapia, uma fonte de proteína grande e fonte de trabalho no mundo em desenvolvimento, é um problema de segurança alimentar e não o próximo grande problema para as indústrias de peixe na América ou na Europa, razão pela qual mais financiamento de nossa pesquisa não está prontamente disponível. ”

A Tilápia é o segundo peixe mais produzido do mundo, após as carpas, estimadas entre 4,5 e 5 milhões de toneladas métricas por ano. Os rendimentos anuais deste peixe, em Israel, caíram até 85 por cento e as taxas de mortalidade semelhantes foram relatados no Equador e na Colômbia. “Com certeza, com tais altas taxas de mortalidade, o TiLV tem um potencial real para ser devastador para a indústria”, disse Bacharach.

“Fomos os primeiros a relatar esta doença em Israel em 2014, o mesmo ano em que foi relatado no Equador”, Eldar observou. “Desde então, tem havido cada vez mais publicações de surtos de TiLV na Ásia e na América do Sul e, a cada semana que passa, somos abordados por colegas pedindo informações sobre como a cultivar e detetar o vírus. Isso nos leva a crer que TiLV está a ocorrer por todo o mundo.”

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) diz que o TiLV não representa um risco para a saúde pública. Porém, emitiu um alerta através do Sistema Global de Informação e Alerta Rápido pedindo aos países que importam Tilápias para intensificar seus testes de diagnóstico, impor certificados de saúde, implantar medidas de quarentena e Desenvolver planos de contingência.

@GAA_Advocate ”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *