Na minha infância surgiu um enorme interesse pelos seres vivos e pela conservação do nosso planeta. Encontrei, na ciência, um despertar da minha atenção. A minha área de estudo ficou definida ainda em criança, quando, certa vez, tive uma interação com um golfinho, onde conheci uma bióloga marinha e, nesse momento, apercebi-me que era essa a profissão que queria exercer. O objetivo da minha vida passou, então, a: cursar biologia marinha na Universidade do Algarve, pelo que sempre trabalhei para tal. Sempre acreditei no bem e que, juntos, conseguimos conservar o meio ambiente, por via de conscientização e educação ambiental. Apesar deste marco na minha vida que me fez definir o meu futuro profissional, hoje em dia acredito que os seres vivos devem estar em estado selvagem.

Aos 18 anos, após entrar no meu primeiro ano da universidade, à medida que ia passando nas cadeiras, comecei a definir o meu perfil profissional. No segundo ano, após ter uma cadeira denominada Recursos Biológicos Marinhos, onde aprendi sobre Pescas, Aquacultura e Biotecnologia Marinha, obtive alguma inspiração e decidi que deveria dedicar-me, também, à preservação dos recursos marinhos.

Quando fiz parte do programa Study of the U.S. Institutes (SUSI) for Student Leaders from Europe, nos Estados Unidos, a ideia deste projeto se aperfeiçoou na minha mente e apresentei-o, sendo que, o meu objetivo é levá-lo a um patamar elevado.

O acesso à informação torna possível ao consumidor tomar decisões ambientais mais conscientes, escolhas essas que, no âmbito deste projeto, são a compra peixe sustentável.

Deste modo, os consumidores ajudam a preservar todo o conjunto de ecossistemas do nosso planeta, pois tudo na Terra está interligado e em perfeita harmonia.